segunda-feira, 3 de novembro de 2008

CRUCIFICADO PARA O MUNDO RELIGIOSO


T. Austin-Sparks

“Mas longe de mim esteja gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim, e eu para o mundo”. Gálatas 6.14

É interessante notar a maneira particular na qual o apóstolo Paulo fala a respeito deste mundo. O termo empregado é bastante abrangente e inclui muitas coisas. Aqui Paulo vai direto ao espírito da coisa. Você percebe isto pelo contexto; e é bom considerarmos o assunto: “Pois nem esses mesmos que se circuncidaram guardam a lei; mas querem que vos circuncideis, para se gloriarem na vossa carne.” Gálatas 6.13

O que o apóstolo quer significar? Eles falam, “Vejam quantos prosélitos temos feito! Vejam quantos seguidores e discípulos temos! Vejam o sucesso do nosso movimento! Vejam quão fortes estamos ficando no mundo! Vejam todas as bênçãos divinas repousando sobre nós!” O apóstolo diz que é experimentado nos princípios morais e espirituais deste mundo. Porém ele renuncia a tudo isso. “Procuro eu glória de homens?” “Procuro eu o favor dos homens?” “Não! O mundo está crucificado para mim, e eu para o mundo”.

Todas estas coisas não têm valor algum para mim. O que vale para mim não é se o meu movimento está tendo sucesso, se eu estou obtendo muitos seguidores; o que vale para mim é a medida de Cristo nos meus irmãos; “Meus filhos, pelos quais de novo sinto as dores do parto até que Cristo seja formado em vós” (Gal. 4.19)

Cristo formado em você – este é o meu interesse, diz Paulo, ...e não grandiosidade, popularidade, a fim de que digam ...este é um ministério de sucesso; um movimento de sucesso. Tudo isso é mundano. Eu estou morto para todas essas coisas; estou crucificado com Cristo para tudo isso. O que realmente importa é Cristo – a medida de Cristo em você.

Veja como o mundo avança gradualmente ... e como nós, imperceptivelmente, podemos nos deixar levar por essas coisas – pela maneira como as pessoas pensam e conversam; o que elas irão dizer, as atitudes que irão tomar, da medida de nossa popularidade, do nosso sucesso. Tudo isso é o mundo, diz o apóstolo; o espírito do mundo; é como o mundo age. Esses são os valores aos olhos do mundo, mas não aos olhos do Cristo ressurreto. Para a nova criação, que está do lado da ressurreição da cruz, uma só coisa determina o que tem valor: a medida de Cristo em tudo.

Absolutamente nada mais tem valor, não importa quão popular possa ser, quão favoravelmente os homens possam falar sobre; do lado da ressurreição isso tudo não tem qualquer importância. O que interessa é quanto de Cristo há. Você e eu, na cruz do Senhor Jesus, devemos chegar ao ponto onde estejamos crucificados para todas essas coisas. Ah, você pode ser impopular, e sua obra pode ser muito pequena. Podem não haver aplausos; e o mundo pode te desprezar; mas em tudo deve haver algo de Cristo, e é nisto que devemos colocar os nossos corações. O Senhor nos dá graça para esta crucificação. Há poucas coisas mais difíceis do que ser desprezado; mas Ele foi desprezado e rejeitado pelos homens. O que uma coisa representa perante os olhos do Senhor, isto deve ser o nosso padrão. É o padrão da ressurreição. Esta é a vitória da cruz:

“Mas longe de mim esteja me gloriar, a não ser na cruz de Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim, e eu para o mundo.” Gálatas 6.14

2 comentários:

Thiago Mendanha disse...

putz, rs... dessa eu não sabia (ó paí, ó = olhe para aí, olhe)... mas, ainda bem que o título do texto não foge ao conteúdo do texto... rs... ameniza a gafe

valeu brother, abração

Lindoélio Lázaro disse...

Cara, ninguém melhor do que Paulão para falar da crucificação... Eu anseio viver o amor que Paulo viveu pelo Evangelho, imitando ele como ele imitava a Cristo, rsrs...
Devemos usar o lado "religioso" da nossa carne para bradar: "Crucifique-me! Crucifique-me!"

Um abraço!