sexta-feira, 8 de agosto de 2008

No último dia de nossas vidas

Creio que, no último dia de nossas vidas, antes de atravessarmos o rio rumo à eternidade, passaremos pelo tribunal da consciência, em que nós mesmos julgaremos a vida que tivemos. Seremos ao mesmo tempo réus e juízes. Naquele dia, deveremos estabelecer o veredicto a respeito do sentido da vida e concluir se valeu ou não a pena viver. Naquele dia, não fará a menor diferença a casa onde moramos, o carro que dirigimos, as vezes que visitamos a Europa, os diplomas que penduramos na parede, o número de romances que tivemos ou as roupas que vestimos. Acredito que estaremos diante de quatro perguntas, cada uma delas ligada à imagem de Deus e aos propósitos pelos quais deveríamos ter vivido. São elas:

  • Onde está Deus?
  • Que tipo de gente eu me tornei?
  • Onde estão as pessoas que eu amo e que me amam?
  • Qual foi minha contribuição para o bem da raça humana?
Ed René Kivitz, do livro "Vivendo com Propósitos", p. 80, 81.

Um comentário:

Ruth Fernandes disse...

Pai,
adorei a mensagem "No último dia de nossas vidas", até copiei e coloquei no meu orkut. (rs)
bjs